Sobre conhecimento como construção cultural

Quando vejo por aí alguém criticando o tal do “pós-modernismo”, muitas vezes o motivo é porque não aceitam a ideia de que “conhecimento é uma construção cultural”, pois “isso levaria ao relativismo”. Eu não tô querendo defender ou condenar nada, só estou expondo uma dúvida (isso deve ser avisado quando estamos na internet). Deixem-me oferecer um exemplo. Se eu digo para vocês que galinhas são répteis, vocês talvez dirão “Claro que não! Galinha é ave!”. Então eu digo que classes taxonômicas são construções culturais, pois os biólogos decidiram quais características e de que forma seriam levadas em consideração na hora de classificar os animais.
 
“Deixa de ser burro! Não está vendo que, dada a definição de réptil, as galinhas são outra coisa completamente diferente?”
 
Só tem um porém: segundo a classificação filogenética, aves são répteis. Ou seja, você tem duas classificações coexistentes: numa, aves são aves; noutra, aves são répteis.
 
“Ah, mas isso é o processo de evolução científica. Os conceitos científicos antigos dão lugar a conceitos mais novos.”
 
Isso não quer dizer justamente que tais conceitos são uma construção cultural? Quer exemplo maior de construção cultural do que substituição de paradigmas?
 
Esse exemplo não demonstra que todo conhecimento é uma construção social, mas que há conhecimento que é. Vai ter gente dando como contra-exemplo as leis da Física, que na verdade são aproximações precisas, mas ainda assim aproximações e que também sofrem processo de substituição de paradigmas. E mesmo assim não elimina a existência do primeiro exemplo. Os dois exemplos existem. Portanto eu não tô dizendo que um lado ou outro tá certo, só que as coisas são muito mais profundas do que tretas de Facebook podem fazer parecer. É preciso haver um respeito muito maior do que o que há hoje entre os interlocutores.
 
AGORA, se vocês quiserem saber o que eu acho mesmo sobre a natureza das coisas e do conhecimento, aí já é outro assunto e um assunto que deixaria muita gente chateada, mas é assunto igualmente complicado e eu não tô com paciência agora para isso.