Conservadores, ma non troppo

Ainda falando sobre a dicotomia esquerda-direita, eu penso que o brasileiro mediano até recentemente não se identificava como de esquerda ou direita. E como consequência disso, apesar de hoje em dia ser mais fácil para a maioria das pessoas se declarar como um ou outro, é muito comum encontrar contradições naquilo em que elas defendem. Mesmo que eu tenha dito antes que esquerda-direita é uma simplificação exagerada que nos prejudica muito a perceber as diferentes ideologias, ainda dá para dizer que há alguns valores centrais a uma ou outra posição política e o cidadão médio não se alinha completamente com o que ele diz defender.

01

Continue lendo

Esquerda – Direita: um modelo gasto?

EsqDir

   Costumo usar os termos ‘esquerda’ e ‘direita’ corriqueiramente quando acredito que serão facilmente compreendidos pelo leitor. Só que tais termos carregam um problema de insuficiência que pode me fazer falhar justamente em ser compreendido. Por que digo isso? Porque usar tais termos faz parecer que haja uma linha reta de um lado para o outro e que tudo é tão simples quanto “se eu sou mais esquerda, sou então menos direita” e vice-versa. O leitor já deve ter visto pela internet alguma versão de um gráfico que mostra direita e esquerda como ‘tamanho do estado’: se você quer um estado que se meta menos em assuntos privados, então você é de direita; mas se você quer um estado cheio de leis, então você é de esquerda. No extremo da esquerda, estaria, absurdamente, o nazismo e outras formas de totalitarismo e, no extremo da direita, tão absurdo quanto, a anarquia. Esse tipo de conteúdo faz muito sucesso na rede por oferecer uma explicação resumida e rápida do mundo e, justamente por isso, é muito ruim.

Continue lendo