Não é possível lutar contra a burguesia negando-se a compreender como ela age

Outro dia, Lula disse que foi precipitado ao considerar os atos de 2013 como democráticos. Nós conhecemos esse discurso de que as manifestações conservadoras que levaram à derrubada do governo do PT teriam sido continuações diretas do levante popular de 2013. São vários os aspectos que os petistas, seus aliados e simpatizantes ignoram. A diferença de recorte de classe, da atuação da polícia, das motivações, das organizações e há até uma amnésia seletiva que os faz esquecer de que eles também estavam nas ruas durante 2013. Mas eu gostaria de lembrar, com destaque, de uma diferença que ficou muito clara entre os dois momentos.

Continue lendo

Anúncios

100 anos da Greve Geral de 1917- E a formação do PCB

21427349_742905539235411_861979913951132551_oGrupo de Estudos Anarquistas Maria Lacerda de Moura – Dia 15/07/2017, UERJ, 9º andar

Nesse ano, comemorando os 100 anos da Greve Geral de 1917, o Grupo de Estudos Anarquistas Maria Lacerda de Moura convida a todas e todos a debater tanto sobre a Greve de 1917 quanto sobre a insurreição de 1918, duas datas muito importantes e tão pouco lembradas na história do movimento revolucionário brasileiro. Também debateremos sobre o papel do movimento anarquista na formação do Partido Comunista do Brasil (PCB).

O texto disparador será uma pequena parte do livro Anarquismo e Formação do Partido Comunista do Brasil (PCB) (2a edição, editora Rizoma, 2017) com a presença do autor Hamilton Moraes.

Link: http://estudosanarquistasmlm.noblogs.org/files/2017/09/Anarquismo-e-a-Formação-do-PCB.pdf

The doctor has the cure

0001e0002e0003e

According to Anita Novinsky, a third of all Portugueses to come to Brazil in the first decades of colonization was of New Christians. In the 17th century, that population came to 75% among free men. If it lacked any doubt about the Brazilian nazi being the dumbest among that stupid sort of people, it lacks no more.

As the Jews were forced to convert into Christianity, they adopted local names. Some say they took into consideration phonetical similarities. Because those names were not exclusive to New Christians, it’s impossible to know just by family name if a Brazilian descends from Jews. Nonetheless one can’t deny that there are Jewish roots among the roots of the brazilian.

And so this is the comedy of the Brazilian “morenazi” (moreno = dark or darker skinned), member of the most mixed-race people in the planet, professing white supremacy. If they were not so dangerous, they’d be funny…

Ah, and if the new trend among nazi-fascists is to persecute Muslims, we must not forget the Muslim population that inhabited the Iberian Peninsula. Part of the New Christians were of Islamic origin. Which means the are surely a lot of descendents of Muslims marching in demonstrations, demanding that Muslins be kicked out of the country…

Of all stupidities, racism must be the biggest one.

O doutor tem a cura

Hey, do you speak English? Check out the translated version!
0001
00020003

Segundo Anita Novinsky, um terço dos portugueses à chegar ao Brasil nas primeiras décadas da colonização era de cristão novos. No século XVII, essa população chega a 75% entre os livres. Se ainda faltava alguma dúvida de que o nazista brasileiro consegue ser o mais burro dentro dessa categoria estúpida de pessoas, não falta mais.

Conforme os judeus eram forçados a se converter ao cristianismo, adotaram sobrenomes locais. Dizem que levavam em consideração semelhanças fonéticas. Como esses nomes não eram exclusivos aos cristãos novos, é impossível saber apenas pelo sobrenome se um brasileiro descende de judeus. Apesar disso, não se pode negar que há raízes judaicas entre as do brasileiro.

Portanto essa é a comédia do “morenazi” brasileiro, membro do povo mais miscigenado do planeta professando supremacia branca. Se não fossem tão perigosos, seriam cômicos…

Ah, e se a moda agora entre os nazifascistas é perseguir muçulmano, não devemos esquecer da população muçulmana que habitava a Península Ibérica. Parte dos cristãos novos era de origem islâmica. Ou seja, com certeza há um monte de descendente de muçulmano fazendo passeata para expulsar muçulmanos…

De todas as imbecilidades, racismo deve ser a maior.

Lésbicas em Revolta, Grupo de Estudos Anarquistas na UERJ

21151459_737831673076131_5053965432433957440_n

Evento: clique aqui.
1/09/2017, 18:00, no 9º andar da UERJ.

No mês da Visibilidade Lésbica, a próxima sessão do grupo de estudos trará a debate o tema muito negligenciado pelos movimentos políticos, inclusive os ditos revolucionários. O texto disparador escolhido, apesar de não ter viés anarquista, abarca as mais diversas discussões do movimento lésbico-feminista e foi escrito por Charlotte Bunch – feminista defensora do separatismo lésbico.

Texto disparador: https://drive.google.com/open?id=0B30J_-tXvG_VM1VuTWJvQ2JHZzQ

Mirror: Lesbicas em revolta

Porque eu defendo que Anarquismo é de esquerda

Eu crio uma página nova no Facebook e então ele a bloqueia porque fiz postagens de dois locais diferentes em um curto espaço de tempo. Nem mesmo me notificou, apenas tirou meu acesso a ela enquanto admin! Só dor de cabeça… Anyway…

frenchnationalconvention
Esses revolucionários franceses sabiam mesmo se divertir! Pena que chegavam a perder a cabeça…

Esse post vai bater de frente com a primeira postagem que eu fiz nesse blog (tecnicamente, a segunda). Mais à frente eu amarro essas pontas.

É comum hoje que pessoas digam que Anarquismo não é de esquerda e nem de direita. Eu já considerei tal possibilidade enquanto ninguém me dava bons motivos para pensar algo diferente. Mas cheguei à minha própria conclusão e vou responder aqui rapidamente porque eu digo que Anarquismo é de esquerda.

Continue lendo

Roda de Conversa sobre Anarquismo e Supremacia Branca (Rio de Janeiro)

20799457_731571367035495_8900542619400449817_n

Convidamos à todos pra nossa próxima roda de conversa!
O texto escolhido da vez é o primeiro capitulo ”Uma Análise da Supremacia Branca” – do livro ”Anarquismo e Revolução Negra” do anarquista americano Lorenzo Komboa Ervin, ex-pantera negra e militante da Black Autonomy Federation, resgataremos esse livro que, apesar de escrito na década de 70, só foi lançado no Brasil em 2015 e serve como ferramenta para luta contra a supremacia branca e o racismo.

O grupo se reune sempre na UERJ, no nono andar, as 18:30 e é aberto a todos.

Continue lendo